fbpx

A história da hipnose

Ieda Sales

Ieda Sales

A historia da hipnose

Mito ou ciência?

A hipnose já era utilizado no Egito, e Grécia.  Era conhecida como templo do sono. As pessoas recorriam a este templo quando precisavam de cura. Acreditavam que a hipnose era um sono profundo. Por isto deram na época o nome Hipno (sono) em homenagem ao Deus do sono + osis = ação. 

Franz Anton mesmer  

Mesmer já Usava a hipnose, que na época, chamava de MESMERISMO. Pra ele era um  magnetismo  que trazia o equilíbrio, para curar pacientes. Ele acredita que havia um desequilíbrio entre o magnetismo humano e o universal, que gerava doenças. 

Na época usava imãs para atingir seus objetivos, até perceber só era necessário as mãos. 

Ele Obtinha excelentes resultados para curas e dor. 

Ele começou utilizando a técnica em animais. Hipnotizava galinhas e depois outros animais.

O Rei francês Luís XII pediu , na época, diante de tantos resultados, em 1780 para fazer o inquérito e obter uma confirmação científica para o fato. 

Como não foi possível a confirmação proibiu a prática , então Mesmer mudou-se para Paris onde continuou sua atividade, sendo que  mais tarde foi aberto um hospital de cura , em Londres, que recebeu o seu nome “Mesmereic hospital”

James Braid

em 1842, após utilizar aparelhos(eletroencefalograma)  para medir as ondas cerebrais, descobriu que havia mudanças no cérebro, porém distintas do estado de sono.

 foi um dos cientistas pioneiros que levou o termo para ciência.

Ele descobriu que a hipnose não tinha relação com o sono, conforme os egípicios acreditavam. E tentou mudar o nome HiPNO (sono) mas como este termo já estava disseminado, permaneceu.

Ele realizou mais de 3000 cirurgias em estado de hipnose, quando ainda não existia anestésico químico, sem nenhuma morte, causada por isto.

Logo após , houve a descoberta do anestésico químico , que era utilizado pela nobreza europeia. Ao contrário da hipnose estes anestésicos químicos causaram  muitas mortes, por ignorância sobre as reações  dos ativos.

Ivan pavlov 

Neurofisiologista russo , reconhecido pelo estudo do comportamento humano, behaviorismo , estudou sobre os efeitos da hipnose na córtex  cerebral.

James Esdaile 

Realizou mais de 300 cirurgias num presídio em Calcutá na Índia, no estado de anestesia hipnótica. 

Sigmund Freud 

Fundador da psicanálise foi responsável por popularizar a hipnose.

Dave Elmam

Criou o método de hipnose rápida , em 1962. e ensinou vários médicos a  utilizarem. Realizou a primeira cirurgia cardíaca de tórax aberta sem anestesia.

Seus resultados influenciaram o papa Pio  XII a recomendar a hipnose para partos sem dor.

Milton Erickson

Psiquiatra foi responsável pela propagação da hipnose terapêutica.

Gerald Kein

Fundador da OMNI maior escola de hipnoterapia do mundo

Richard Bandler e John Grinder referências mundial em PNL estudaram as técnicas utilizadas por Milton Erickson e perceberam o poder de mudança na reprogramação mental no estado de hipnose. 

A hipnose é reconhecida por 5 conselhos federais: Medicina, psicologia, enfermagem, nutrição e odontologia. 

E o que é hipnose afinal de contas?

É um estado de hiper foco ,concentração e relaxamento. Neste estado é reduzida a consciência periférica. 

Você não perde a consciência, pelo contrário, ela fica 200  a 300 vezes mais presente, porém uma consciência focada e a redução de consciência periférica.
Neste estado, onde acessamos ondas de frequência mais elevada, como ondas theta, delta ou até mesmo alpha,  diminuímos  o fator crítico da mente consciente e acessamos o sistema mesolímbico , conhecido como subconsciente,  que é o nosso centro emocional , onde estão gravadas todas nossas memórias de longa duração.

Quais  benefícios do estado de hipnose?

São inúmeros os benefícios, como por exemplo, fobia, pânico, depressão, dores, elevar autoconfiança, obesidade, enxaqueca, dificuldade de falar em público, libido, entre muitos outros.

Vale lembrar que mais de 95% dos comportamentos são resultados da programação do subconsciente, e portanto , se desejamos fazer alguma mudança é necessário acessá-lo. E isto se torna possível no estado de hipnose.

No estado de hipnose a mente subconsciente fica aberta a sugestões. 

Porque a hipnose é tão eficaz?

Existem leis que regem o universo, como por exemplo a lei da gravidade, e de acordo com Joseph Murphy, autor do poder do subconsciente, existe também uma lei que rege o subconsciente que diz: “tudo que toda sugestão ,aceita pela mente subconsciente, irá buscar uma maneira de expressar no mundo físico.”

Assim podemos imaginar como, literalmente ,operar os milagres, ou seja, as grandes transformações.  O documentário Heal retrata este poder.

No estado de hipnose há uma ativação do lobo occipital , parte responsável pela imaginação e visualização. Todo processo de ativação desta área irá provocar reações neuroquímicas correspondente. 

Isto significa que durante uma sessão de HIPNOTERAPIA, onde utilizamos 

o processo de transe hipnótico, é feito um processo de ressignificação de nossas memórias acessadas. Nós literalmente reeditamos o filme de nossa vida.

Um exemplo claro para ilustrar é : atendi uma pessoa que tem fobia de falar em público, durante a sessão, ela acessou o “evento causador inicial”, um cena quando tinha 9 anos , onde sua irmã ria de um texto que escreveu e ela se sentia ridicularizada. 

Ao acessar esta cena, ela conseguiu , através do poder da imaginação, dar recursos aquela menina, para agir diferente.  Nós mudamos alguns elementos da cena, que a PNL chama de submodalidade, como cor, tamanho, intensidade, som.  E quando fazemos isto, conseguimos interpretar de outra forma. 

Dra Carol Dweck, PHD em psicologia em Stanford, diz que não importa o fato que nos aconteceu, e sim como reagimos a ele, ou seja, como interpretamos. Se podemos acessá-lo, em transe hipnótico, podemos mudar nossa interpretação, isto é o mesmo que ressignificá-lo.

A mudança da nossa percepção se altera, é construído um novo caminho neural, ou seja, uma nova sinapse no cérebro, e passamos ter um novo comportamento.

Hipnose e neurociência 

Para entender melhor disso, vamos falar um pouco de neurociência.

Dr Antoine Bechara, neurocientista, fala que sempre travamos uma luta entre o sistema reflexivo, localizado no córtex pré frontal  (consciente) e o sistema impulsivo , que é o cérebro mesolímbico, ou cérebro emocional, responsável por nossas memórias. (subconsciente)

O sistema reflexivo, também conhecido como mente consciente, é responsável por dar razões, justificar e analisar. É ele é o responsável , por exemplo,  nao te deixar comer uma comida estragada.

O sistema impulsivo, ou mente subconsciente, tem a função de nos proteger de todos os perigos, reais ou imaginários. 

Lembrando que a mente subconsciente não é racional, ela é literal. E muitas vezes ela vai nos proteger de perigos imaginários, nos colocando em situações indesejadas. Por isto as vezes pessoas entram em pânico, pois é uma tentativa do cérebro de te proteger de um perigo imaginário. Então ele te paralisa. 

Toda experiência que vivemos nos traz um aprendizado. Se por exemplo você sofreu algum abuso na infância, e naquele momento o seu aprendizado foi que “preciso me proteger dos homens”a sua mente pode fazer você engordar para se esconder dos homens.

E você deve estar pensando: “mas isto não tem lógica”. Exatamente, ela não tem logica, irá usar os recursos que conhece para te proteger. E talvez, o único disponível naquela época do aprendizado, era este.

E vivemos numa luta constante entre o sistema racional “consciente”e o emocional “subconsciente”

No exemplo acima sua mente consciente diz: quero emagrecer. E o sistema emocional diz: preciso desse peso para te manter protegida.

Quem vai ganhar a luta?

95% das vezes é o sistema emocional,  ou seja a mente subconsciente.

Por isso é tão difícil mudar hábitos

Toda comportamento, de acordo com o Antoine Bechara, neurocientista, começa uma ação consciente, ou seja pelo sistema reflexivo,(consciente)  na parte  córtex frontal do cérebro.

Porém uma ação repetida, se torna um hábito e influencia o cérebro emocional. 

Quando se torna um hábito começa fazer parte ou sistema impulsivo, no cérebro mesolímbico , também conhecido como subconsciente.

Dentro do cérebro mesolímbico existe uma parte chamada de área tegmental ventral , que está sempre buscando dopamina. Esta é a sua moeda de troca. 

A sensação de prazer promovida pela dopamina é viciante. Isto impede que o nosso sistema reflexivo “consciente” atue. Assim somos movidos pelo nosso subconsciente. 

Tudo que fazemos ou deixamos de fazer é movido pela busca do prazer ou para correr da dor.

Ainda tem uma função muito importante da mente subconsciente que é da ociosidade , ou seja, nos manter na zona de conforto. 

Então imagina, como o cérebro, irá encontrar resistência para substituir  um hábito como comer doce, que gera dopamina, ou seja, tem uma recompensa, uma sensação de prazer, para uma ação por exemplo comer uma salada , ainda mais se você tiver que lavar os alimentos, picar preparar. Quanto mais complicada “mentalmente”for esta ação, mais resistência ele vai encontrar. Tudo isto por causa da zona de conforto.

Só mantemos um  comportamento porque temos um ganho inconsciente com ele, ou seja, tem uma recompensa. 

Dr Antoine Bechara menciona 3 tipos de recompensas: 

1- as naturais , que passam pelos nosso sentidos, como degustar um doce, como a sensação de escalar, correr , sexo, ou fazer um esporte radical. Isto ativa produção de dopamina no cérebro.

2- as não sensoriais, não passam pelos sentidos. Por exemplo o uso de drogas. Acontece a liberação de dopamina de forma automática.

3- as aprendidas – como por exemplo, mentir, roubar, ganhar dinheiro.

Se o subconsciente é quem dá as ordens, como podemos acessá-lo e reprograma-lo?

O caminho é a hipnose e a PNL Programação neurolinguística 

A hipnose nos permite diminuir o fator crítico da mente consciente e acessar memórias emocionais, ou seja a parte do cérebro responsável pelas emoções, o nosso subconsciente. A PNL oferece recursos para mudar a forma como interpretamos o. Mundo e as coisas que nos acontecem. 

Nossa mente é atemporal, ou seja, não importa o tempo que foi registrada a memória, ou o momento do aprendizado, tudo fica gravado e disponível para acessar.

Tem um princípio da PNL que diz que toda invenção  tem uma intenção positiva. Isto significa que as vezes um comportamento que você tem hoje, que considera inadequado, por exemplo, mentir, gritar, comer em excesso, tem um ganho ïnconsciente”, tem uma intenção positiva. 

E qual poderia ser a intenção positiva no caso da mentira? 

Se sentir protegida, aceita ou reconhecida. 

E quem conhece esta intenção positiva? A mente que criou, a mente subconsciente. Na época que ela criou este comportamento ela precisava atender uma necessidade, e utilizou este comportamento, que foi útil naquele momento, mas hoje não é mais. 

Vou te dar um exemplo claro. 

Quando eu tinha 19 anos, jovem criada num sistema bem rígido de educação, eu estudava e  noite eu faltei  a primeira aula para conversar com um namoradinho.

Eu era bem responsável. E tinha muito respeito com minha mãe. E como queria ser bem sincera com minha mãe, Cheguei em casa e contei pra ela. Naquele momento ela me ouviu silenciosamente.  No momento nao me criticou.

 porém no dia seguinte, após levar o caso ao meu pai, eles decidiram que eu não poderia mais estudar,.

E pra mim, na época, foi uma grande decepção. Ela me disse palavras duras, me bateu e disse que não acreditava em mim. 

Aquele fato, pra mim, teve um forte  impacto emocional,. E toda vez que vivenciamos cenas com forte impacto emocional, grava uma aprendizado e passamos a agir por ele.

E sabe qual foi meu aprendizado naquele dia?

Preciso mentir. Para me proteger, pois se for sincera serei castigada.

E passei muito tempo na vida mentindo, em situações mais corriqueiras, com medo de ser punida. 

E conscientemente eu sabia que isto me colocava em encrencas , que tirava minha energia, pois quando mentimos carregamos um medo de sermos descobertos.

Apesar disto, eu não conseguia mudar este comportamento.

E porque eu não mudava? Porque tinha um ganho nesta atitude. 

Temos uma parte no nosso cérebro chamada de ATM (área tegmental ventral) que está sempre buscando a dopamina. A dopamina é a grande moeda de troca. 

Se ela tem um ganho, ou seja, uma recompensa, ela se vicia . E por isto que não conseguimos mudar este comportamento de forma consciente. 

Precisamos acessar o subconsciente, acessar a memória causadora daquela emoção e dar um novo significado e um novo aprendizado. E quem faz isto é a mente  subconsciente. 

Ela tem infinitas maneiras de substituição desta recompensa. Mas somente ela  pode permitir esta mudança. 

E no momento da hipnose, nos estimulamos a parte do cérebro chamada lobo occipital, onde são construídas as nossas imagens. É feita uma grande vascularização nesta área. 

E através do nosso sistema de imaginação, visualização, nos enganamos o nosso cérebro e conseguimos ter resultados efetivos.

Porque dietas rigorosas não funcionam?

Comer promove uma sensação muito grande de prazer, pois ocorre liberação de dopamina. 

Você pode conseguir por alguns dias, semanas, mas , de acordo com estudos, a grande maioria interrompe nas primeiras semanas.

O cérebro fará de tudo para buscar esta sensação de prazer. 

É preciso substituir, ou enganar o cérebro, colocando algo saboroso no lugar, como por exemplo, uma pessoa que é chocólatra, pode começar comer barrinha de damasco. Esta é uma forma de enganar o cérebro.

Algumas pessoas  após a cirurgia bariátrica, onde há a redução do apetite, “fonte de prazer,” costumam substituir a comida por outra droga, para compensar o sistema de prazer. Isto acontece porque a cirurgia não foi feita na mente, ou seja não houve uma troca dos sistema de recompensa no cérebro.

Por isso é tão necessário o acompanhamento terapêutico com este paciente.

Vale lembrar que hipnoterapia é um tratamento rápido, seguro e eficaz.

O tratamento normalmente é feito em 3 sessões. 

Na hipnoterapia utilizamos algumas ferramentas, entre elas, a hipnose. Utilizamos a terapia do perdão, constelação sistêmica, ressignificação e âncoras, entre outros recursos.

Quais os casos indicados:

fobia, compulsão, ansiedade, depressão, autoestima, medo de falar em público, mudança de comportamento, medo de dirigir, enxaqueca, gagueira, e muitos outros.